h1

O Segredo dos Seus Olhos

fevereiro 25, 2010
Temer e amar 

Nova parceria de Ricardo Darín e Juan José Campanella mistura elementos e temas que emocionam e fazem rir

NOTA: 9,5

Por já ter comentado aqui antes, os leitores que acompanham o Projetor devem saber que quando eu gosto de algum ator ou diretor, geralmente procuro assistir suas obras completas. E apesar de nunca ter falado dele antes, o argentino Ricardo Darín é um de meus atores preferidos.

Também considerado como um dos melhores expoentes portenhos há 30 anos, este é o 28 filme de Darín, que já protagonizou longas excelentes como Nove Rainhas – que o empurrou ao sucesso -, Kamchatka e XXY. Mais importante do que somente a carreira de Darín, contudo, é preciso frisar que esta é a quarta parceria entre o ator e o diretor, Juan José Campanella (com quem trabalhou em O Mesmo Amor, A Mesma Chuva, O Filho da Noiva, Clube da Lua e este recente O Segredo dos Seus Olhos, que ainda está em cartaz).

A trajetória da dupla já é motivo suficiente para querer assistir o novo filme. Indo na mesma onda de Hollywood – e, ao mesmo tempo, afastando-se dela de forma abissal – a história é baseada no livro homônimo do escritor Eduardo Sacheri – a qual infelizmente não tive oportunidade de ler. Benjamin Espósito é um advogado aposentado, ex-Ministro da Corte de Buenos Aires, que trabalhou durante muitos anos com a mesma equipe: sua chefe Irene Menéndez Hastings, e seu assistente Pablo Sandoval.

Após se aposentar, contudo, Benjamin sente a necessidade de ocupar seu tempo “de velho” (como ele mesmo observa) com um novo projeto. Ele pretende escrever um romance sobre o terrível caso Morales, que aconteceu 25 anos antes. Entrecortando planos de flashback de 1974 (época do crime) e de 1999, vemos um Benjamin atormentado com o caso, que o obcecou na época e voltou a perturbar seus sonhos.

Com a ajuda do tribunal onde trabalha, ele e Sandoval tentam desvendar o mistério do estupro e assassinato de uma linda jovem recém-casada, que deixou para trás um marido completamente apaixonado e perdido no tempo. Paralelamente a isto, vemos a história de amor platônico entre Benjamin e Irene, que sempre esteve às vias de acontecer, não fosse a irritante lerdeza do advogado – como a própria doutora aponta em determinado momento.

Muito resumidamente – pois não pretendo estragar nenhum segundo desta obra-prima -, vemos personagens extremamente bem construídos e completos, costurados sobre um roteiro eficiente e verossímil, que mescla a bela trilha sonora de Federico Jusid e Emilio Kauderer com a incrível capacidade do diretor de captar as emoções do elenco. Alguns planos – como a abertura (com a trilha melancólica escorrendo como a água escorre dos vidros do trem), ou como a sequencia do estádio de futebol – são espetaculares.

Todos os personagens têm características muito fortes, quase estereótipos. Assim, Irene é a chefe bela e dura; Sandoval é o assistente brilhante, porém alcoólatra; o juiz responsável pelo ministério é estúpido; e Benjamin, por sua vez, é inconsequente e obcecado com quase tudo que o cerca.

Em alguns momentos, seu comportamento me lembrou o do Dr. Gregory House, da série de televisão homônima – também o relacionamento entre ele e Sandoval me lembrou a dos dois médicos principais, House e Wilson. Isto se deve, sem sombra de dúvidas, à influência que Campanella teve ao dirigir alguns episódios de House, e também de outras como Law and Order e 30 Rock.

Não bastasse isso, os diálogos são maravilhosos. Especialmente os de Irene, que abusa da ironia para construir uma personagem carismática, mas ao mesmo tempo muito fria. O discurso do Sandoval sobre as paixões que nunca mudam é emocionante e culmina com o achado do responsável pelo crime – após o interrogatório psicológico de Irene. Até mesmo o título do filme é totalmente apropriado à proposta. 

Apesar de ser uma metalinguagem previsível entre o romance que Benjamin escreve e aquele que vive, é interessante observar que a história dá voltas, e o espectador é sempre pego de surpresa, em uma mistura bem costurada de sentimentos.

O Segredo dos Seus Olhos reúne, por fim, elementos de um thriller policial, mas também os de um filme de comédia, de desilusão, de drama, de perda, de suspense e de romance. Só podemos atribuir este enorme êxito à Campanella, que desenvolveu uma bela crônica sobre a sociedade argentina – coisa que, por aqui, é raro encontrar. No Brasil, ainda não há quem retrate a brasilidade com sutileza e tanta carga cultural sem entrar no mérito “favela-movie”.

Não é a toa que digo que dificilmente dou menos de nota 9 a qualquer coisa que Darín faça.

Tìtulo Original: El Secreto de sus Ojos
Direção: Juan José Campanella
Gênero: Drama
Ano de Lançamento (Argentina/Espanha): 2009
Roteiro: Eduardo Sacheri e Juan José Campanella, baseado no livro de Eduado Sacheri
Trilha Sonora: Federico Jusid e Emilio Kauderer
Fotografia: Félix Monti
Tempo de Duração: 127 minutos
Com: Ricardo Darín (Benjamin Espósito), Soledad Villamil (Irene Menéndez Hastings), Pablo Rago (Ricardo Morales), Javier Godino (Isidoro Gómez), Guillermo Francella (Pablo Sandoval), Carla Quevedo (Liliana Coloto) e José Luis Gioia (inspetor Báez).

Anúncios

3 comentários

  1. Eu gosto muito de suas resenhas pois elas exploram o filme, suas características, seus pontos fortes e fracos, passando informações interessantes sobre o diretor e elenco, mas no entanto não “contam o filme”, não tirando assim o prazer de quem ainda não o assistiu. Eu dou nota 10 para o filme. E mais uma vez nota 10 para voce.


  2. Espero q seja muito bom mesmo! Verei hj Má!!!

    Bjão!!!


  3. O filme é lindo de viver! E concordo com sua mais que oportuna análise sobre o cinema brasileiro. Nossos hermanos vem, sistematicamente, nos dando uma bela surra no quesito cinema bem feito…



Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: