Posts Tagged ‘globo de ouro 2011’

h1

Globo de Ouro 2011 – Os Vencedores

janeiro 17, 2011

A premiação que aconteceu em Beverly Hills, Los Angeles (EUA) no último dia 16 (domingo) não teve muitas novidades. Algumas escolhas eram tão óbvias que o Globo de Ouro está se tornando somente um pré-Oscar, antecedendo o que vai rolar de fato no tapete vermelho em fevereiro.

Confira e compare abaixo os palpites do Projetor e os vencedores da noite. Os palpites estão marcados com um ‘x’ e os vencedores estão em vermelho. Os que tem os dois obviamente coincidem.

Melhor Filme – Drama
A Rede Social (x)
A Origem
O Vencedor
O Discurso do Rei
Cisne Negro

Melhor Atriz – Drama
Natalie Portman, Cisne Negro
Michelle Williams, Blue Valentine
Nicole Kidman, Rabbit Hole (x)
Halle Berry, Frankie & Alice
Jennifer Lawrence, Inverno da Alma

Melhor Ator – Drama
Jesse Eisenberg, The Social Network (x)
Colin Firth, O Discurso do Rei
James Franco, 127 Horas
Ryan Gosling, Blue Valentine
Mark Wahlberg, O Vencedor

Melhor Musical ou Comédia
BurlesqueRed – Aposentados e Perigosos
Alice no País das Maravilhas
Minhas Mães e Meu Pai (x)
O Turista

Melhor Atriz – Musical ou Comédia
Annette Bening, Minhas Mães e Meu Pai (x)
Angelina Jolie, O Turista
Julianne Moore, Minhas Mães e Meu Pai
Emma Stone, A Mentira
Anne Hathaway, O Amor e Outras Drogas

Melhor Ator – Musical ou Comédia
Johnny Depp, O Turista (x)
Jake Gyllenhaal, O Amor e Outras Drogas
Kevin Spacey, Casino Jack
Paul Giamatti, Minha Versão para o Amor
Johnny Depp, Alice no País das Maravilhas

Melhor Atriz Coadjuvante – Drama
Amy Adams, O vencedor
Helena Bonham Carter, O Discurso do Rei (x)
Melissa Leo, O Vencedor
Mila Kunis, Cisne Negro
Jacki Weaver, Reino Animal

Melhor Ator Coadjuvante – Drama
Jeremy Renner, Atração Perigosa
Andrew Garfield, A Rede Social (x)
Geoffrey Rush, O Discurso do Rei
Michael Douglas, Wall Street: O Dinheiro Nunca Dorme
Christian Bale, O Vencedor se eu já tivesse visto quando saiu a lista dos concorrentes, com certeza o teria indicado…

Melhor Animação
Como Treinar Seu Dragão
O Mágico
Enrolados
Toy Story 3 (x)
Meu Malvador Favorito

Melhor Filme Estrangeiro
O Concerto
The Edge
Biutiful (x)
I Am Love (Io Sono L’Amore)
Em um Mundo Melhor

Melhor Diretor – Drama
David Fincher, A Rede Social (x)
David O. Russell, O Vencedor
Darren Aronofsky, Cisne Negro
Tom Hooper, O Discurso do Rei
Christopher Nolan, A Origem

Melhor Roteiro – Drama
127 Horas, Danny Boyle & Simon Beaufoy
Minhas Mães e Meu Pai, Lisa Chodolenko & Stuart Blumberg
A Origem, Christopher Nolan (x)
O Discurso do Rei, David Seidler
A Rede Social, Aaron Sorkin

Trilha Sonora Original
O Discurso do Rei, Alexandre Desplat
Alice no País das Maravilhas, Danny Elfman
127 Horas – A. R. Rahman
A Rede Social, Trent Reznor & Atticus Ross
A Origem, Hans Zimmer (x)

Canção Original
“I See the Light”, Enrolados (x)
“You Haven’t Seen the Last of Me Yet”, Burlesque
“Bound to You”, Burlesque
“There’s a Place for Us”, As Crônicas de Nárnia: A Viagem do Peregrino da Alvorada
“Coming Home”, Country Strong

É…como eu falei, algumas nomeações eram mais do que óbvias. Achei que A Rede Social levou muito mais prêmios do que deveria (merecer todos merecem…), como o de trilha sonora. Mas o Oscar está logo aí para provar o que a Academia realmente decide.

Anúncios
h1

A Rede Social

janeiro 3, 2011

Vida virtual

Dono de uma das maiores empresas do mundo, a vida irônica de Mark Zuckerberg é retratada com os toques de mestre de David Fincher

NOTA: 10

Existem algumas pessoas no mundo que merecem o status que alcançaram. Mark Zuckerberg sem dúvida é uma delas. O bilionário mais jovem do planeta tem todos os motivos para se orgulhar de seu trabalho – afinal, quem hoje em dia não tem Facebook? Os excluídos digitalmente. Ok. Mas para a maioria dos internautas, o Facebook já faz parte da rotina.

É lá que dividimos fotos, vídeos, mensagens, amigos…nossas vidas inteiras. Portanto, é irônico pensar que o grande criador disso tudo, da rede que conecta a todos, que reúne velhos amigos, divide fotos, experiências e até mesmo status de relacionamentos, tenha perdido o único amigo que ele tinha. A vida social de Mark Zuckerberg, de fato, é um completo fracasso. Se não soubéssemos quem ele é e o que fez, diríamos que é um looser.

E é isso que torna A Rede Social um grande filme. Não é uma mera biografia, não é um caso de conto-de-fadas. É a história real de um menino de vinte e poucos anos que, no momento em que teve tudo, não tinha mais nada. Seu único e grande amigo processou-o e Mark viu-se sozinho – mesmo estando conectado a mais de 500 milhões de pessoas por meio de sua grande criação.

E Jesse Eisenberg convence como o gênio estudante de programação da prestigiadíssima Harvard, uma das melhores universidades do mundo. Até mesmo fisicamente parecido com Zuckerberg, o jovem ator, de fala rápida e pensamentos dispersos, surpreende o espectador pela ironia nas respostas – o que é um retrato claro de sua mente que não descansa nunca.

Por vezes como o Dr. House, Zuckerberg pode deixar os amigos suspensos no meio de uma conversa caso seja iluminado com uma ideia brilhante. Diálogos ferozes – a rapidez de Jesse expressa bem o cérebro fervilhante de Mark e seu desinteresse em tudo que o cerca, exceto seus próprios projetos – especialmente com a namorada, ilustra seu caráter insensível e sarcástico, e que ele era incapaz de notar que estava ferindo os sentimentos da garota.

O término do namoro causou um acesso de fúria em Zuckerberg, que criou, então, um viral, no qual comparava a beleza de suas colegas de universidade. O viral teve 22 mil acessos em uma única noite, derrubando a segura rede de Harvard. Por raiva ou por conta de sua mente inquieta, o garoto chama a atenção dos gêmeos Winklevoss. Com uma proposta semi-feita (já que Zuckerberg aceita antes mesmo de terminarem a conversa), ele começa a criação da “HarvardConnection”: uma rede exlcusiva que reuniria os amigos, fotos, vídeos e tudo mais que eles desejassem compartilhar.

A semente havia sido plantada. Zuckerberg deu um jeito nada politicamente correto de roubar a ideia dos gêmeos e criar ele mesmo um site chamado “thefacebook”, tendo como único parceiro e diretor o amigo brasileiro Eduardo Saverin. Enfurecidos com o roubo, os gêmeos hesitam muito até decidirem que a única coisa que afetaria Zuckerberg seria um belo processo. Essas cenas são exibidas como flashforward, enquanto assistimos a criação do site de fato – e concluímos que, apesar da imoralidade toda da questão, Zuckerberg foi muito mais esperto e bem mais rápido.

Tão rápido que em apenas 36h ele colocou o “thefacebook” no ar, atraindo a atenção dos estudantes de Harvard – e obtendo a inscrição de 650 pessoas na mesma noite. Um fato mais que notável. Por isso, ele chama a atenção de Sean Parker, uma raposa veterana do mundo corporativo online e de processos múltiplos – sendo ele o criador daquele antigo Napster, o site de música online que enfureceu artistas ao redor do mundo todo.

Vivido por Justin Timberlake (um cantor que, corajosamente, encarna o personagem mais odiado do mundo fonográfico), Parker é o bon vivant que ensina a Zuckerberg o caminho mais rápido para o dinheiro fácil. Muito, muito dinheiro. Mais eficiente do que Saverin, Parker apresenta o jovem empresário a grandes investidores, que começam a acreditar no Facebook – sem o “the”. Sugestão que, aliás, partiu do próprio Parker (e foi, como bem sabemos, mais do que acertada!). A interferência provoca a fúria e o ciúmes de Eduardo, que se vê mais e mais excluídos dos planos do amigo – a ponto de processá-lo por diminuir sua parte como co-criador.

A narrativa apressada é uma boa escolha de David Fincher, que prefere acelearar a tensão e a ansiedade dos próprios fatos – já que não ocorre nenhuma ação de fato. Muitas cenas geniais para pessoas brilhantes: o teste para os futuros estagiários do site, regado a muitas bebidas e um desafio em programação, é um dos pontos altos para o espectador e para os amigos Zuckerberg-Saverin, quando o projeto finalmente começa a sair do papel.

Os processos foram resolvidos, a parceria com Parker dissolvida (após um vexame com a polícia) e, ainda assim, Zuckerkberg é hoje o bilionário mais jovem do mundo. O Facebook está estimado em aproximadamente US$ 50 bilhões. Mas, se Fincher retratou Mark com a veracidade que acredito ter retratado, duvido muito que o Facebook seja vendido – a não ser que o site atinja um valor ainda inestimado, que, na cabeça do bilionário, seja suficiente para sustentar seus tataranetos, daqui algumas boas décadas.

Titulo Original: The Social Network
Direção: David Fincher
Gênero: Drama
Ano de Lançamento (EUA): 2010
Roteiro: Aaron Sorkin, baseado em livro de Ben Mezrich
Trilha sonora: Trent Reznor
Fotografia: Jeff Cronenweth
Tempo de Duração: 121 minutos
Com: Jesse Eisenberg (Mark Zuckerberg), Andrew Garfield (Eduardo Saverin), Justin Timberlake (Sean Parker), Armie Hammer (gêmeos Winklevoss), Max Minghella (Divya Narendra), Jospeh Mazzello (Dustin Moskovitz), Rooney Mara (Erica Albright), Brenda Song (Christy Lee).

h1

Globo de Ouro

dezembro 20, 2010

Saíram os indicados ao Globo de Ouro do ano que vem. Confira a lista abaixo – e, claro, a escolha do Projetor e palpites dos vencedores.

A cerimônia vai rolar no dia 16 de janeiro.

Fiquem ligados!

Melhor Filme – Drama
A Rede Social (x)
A Origem
O Vencedor
O Discurso do Rei
Cisne Negro

Melhor Atriz – Drama
Natalie Portman, Cisne Negro
Michelle Williams, Blue Valentine
Nicole Kidman, Rabbit Hole (x)
Halle Berry, Frankie & Alice
Jennifer Lawrence, Inverno da Alma

Melhor Ator – Drama
Jesse Eisenberg, The Social Network (x)
Colin Firth, O Discurso do Rei
James Franco, 127 Horas
Ryan Gosling, Blue Valentine
Mark Wahlberg, O Vencedor

Melhor Musical ou Comédia
Burlesque
Red – Aposentados e Perigoso
Alice no País das Maravilhas – musical ou comédia?? Quê???
Minhas Mães e Meu Pai (x) – é, apesar de não ter gostado muito, acho que leva…
O Turista

Melhor Atriz – Musical ou Comédia
Annette Bening, Minhas Mães e Meu Pai (x)
Angelina Jolie, O Turista
Julianne Moore, Minhas Mães e Meu Pai
Emma Stone, A Mentira
Anne Hathaway, O Amor e Outras Drogas

Melhor Ator – Musical ou Comédia
Johnny Depp, O Turista (x) – que? Johnny Depp nomeado DUAS vezes?? Acho que alguma ele leva…
Jake Gyllenhaal, O Amor e Outras Drogas
Kevin Spacey, Casino Jack
Paul Giamatti, Minha Versão para o Amor
Johnny Depp, Alice no País das Maravilhas

Melhor Atriz Coadjuvante – Drama
Amy Adams, O vencedor
Helena Bonham Carter, O Discurso do Rei (x) – só porque acho ela excelente atriz
Melissa Leo, O Vencedor
Mila Kunis, Cisne Negro
Jacki Weaver, Reino Animal

Melhor Ator Coadjuvante – Drama
Jeremy Renner, Atração Perigosa
Andrew Garfield, A Rede Social (x)
Geoffrey Rush, O Discurso do Rei
Michael Douglas, Wall Street: O Dinheiro Nunca Dorme
Christian Bale, O Vencedor

Melhor Animação
Como Treinar Seu Dragão
O Mágico
Enrolados
Toy Story 3 (x) – não tem como não torcer por eles, né?
Meu Malvador Favorito

Melhor Filme Estrangeiro
O Concerto
The Edge
Biutiful (x) – Bardem + Iñárritu é torcida!
I Am Love (Io Sono L’Amore)
Em um Mundo Melhor

Melhor Diretor – Drama
David Fincher, A Rede Social (x) – apesar de torcer para Nolan…escolha difícil, essa!
David O. Russell, O Vencedor
Darren Aronofsky, Cisne Negro
Tom Hooper, O Discurso do Rei
Christopher Nolan, A Origem

Melhor Roteiro – Drama
127 Horas, Danny Boyle & Simon Beaufoy
Minhas Mães e Meu Pai, Lisa Chodolenko & Stuart Blumberg
A Origem, Christopher Nolan – essa vai!
O Discurso do Rei, David Seidler
A Rede Social, Aaron Sorkin

Trilha Sonora Original
O Discurso do Rei, Alexandre Desplat
Alice no País das Maravilhas, Danny Elfman
127 Horas – A. R. Rahman
A Rede Social, Trent Reznor & Atticus Ross
A Origem, Hans Zimmer (x) – a trilha sonora do ano!

Canção Original
“I See the Light”, Enrolados (x)
“You Haven’t Seen the Last of Me Yet”, Burlesque
“Bound to You”, Burlesque
“There’s a Place for Us”, As Crônicas de Nárnia: A Viagem do Peregrino da Alvorada
“Coming Home”, Country Strong