Posts Tagged ‘rooney mara’

h1

Kubo e a Espada Mágica

novembro 13, 2016

kubo-and-the-two-strings-poster-the-garden-of-eyesNOTA: 8,5

A produtora de animações Laika, fundada em 2005, não é das mais conhecidas por aqui. Claro que, se falamos dos longas ParaNorman, Boxtrolls e Coraline, ninguém se lembra de que foi dali que saíram. Mas isso perde importância a partir do momento que diretores e roteiristas consigam contar boas histórias. E assim foi com Coraline (o único que assisti da lista), e assim é, também, com este Kubo e a Espada Mágica.

A começar, é preciso dizer que, assim como Coraline (e A Fuga das Galinhas, Wallace & Gromit, O Fantástico Sr. Raposo e A Noiva Cadáver), o filme é todo feito em stop motion, a antiga técnica de construir bonecos e fotografá-los quadro a quadro para depois juntá-los, dando a ideia de movimento. E essa técnica dá ainda mais créditos ao filme, como irei dizer mais abaixo.

A história de Kubo é situada no Japão medieval, quando o país ainda era território de imperadores e samurais e, claro, de intermináveis disputas. Assim, encontramos a mãe de Kubo em uma tempestade em alto-mar, carregando seu pequeno bebê – cujo olho esquerdo havia sido roubado – e uma guitarra mágica. Ela salva o Kubo e leva-o para viver escondido em uma caverna em um penhasco, próximo a uma aldeia.

Lá Kubo cuida dela e faz performances inacreditáveis no vilarejo munido apenas da guitarra mágica e origamis de papel. Com melodias simples, Kubo, por meio da mágica herdada de sua mãe, faz com que as dobraduras ganhem vida e “atuem” nas histórias que ele conta. Essas histórias são pedaços da vida passada de Hanzo, grande herói e pai de Kubo, que ele jamais conheceu.

A única regra para o garoto é não estar fora da caverna quando o sol se põe, pois o maligno Rei da Lua quer roubar seu olho remanescente. A história se desenrola quando Kubo é descoberto pelo Rei da Lua e suas filhas gêmeas e, com a ajuda de um Macaco e um Homem-Besouro, deve encontrar uma lendária armadura que possa derrotar a todos.

Com um enredo simples de herói-que-se-encontra (escrito por Marc Haimes e Chris Butler), Kubo e a Espada Mágica enche os olhos com a fotografia de Frank Passingham e os efeitos especiais, tornando a experiência com a guitarra mágica (e seus origamis) ainda mais interessante. Reparem, por exemplo, na cor das mãos dos personagens, especialmente o de um vendedor de peixes logo no início da projeção.

E por falar neles, à parte de Kubo, as demais pessoas no longa são bastante unidimensionais, e confesso que fiquei incomodada com o fato de que duas delas saíram de cena tão drasticamente (e ao mesmo tempo). Mesmo Kubo, apesar de estar em perigo e ter medo, nunca se mostra tão assustado ou surpreso, o que tira um pouco o brilho para nós. Também senti falta de um maior desenvolvimento dos desejos do vilão, e o porquê a obsessão com os olhos do menino, e não com sua mágica. Além disso, apesar de viver aventuras perigosas, tudo se resolve de maneira excessivamente fácil.

(Spoilers). Não me convence, por exemplo, que Kubo tenha encontrado a armadura tão facilmente, já que seu pai passou grande parte da vida buscando os fragmentos. Foi só o fato do origami tê-lo ajudado? Pois o homem-besouro e o macaco tampouco sabiam onde estavam os pedaços, e o papel deles na busca foi apenas de manter Kubo vivo. Tampouco se explica a transformação de um personagem importante no Macaco. Quero dizer: porque não escapar voando, como Kubo? Por que dar vida ao Macaco, se era o mesmo personagem? Enfim, algumas coisas ficaram no ar.

Mas Kubo tem seus méritos. Como a mágica é usada no filme me agradou muito, bem como alguns conceitos belíssimos (as lanternas que se transformam em pássaros ou o barco-folha). A trilha sonora não é digna de nota, mas já mencionei o quanto a fotografia é bonita? Por fim, assistam até o fim dos créditos, pois os realizadores tiveram a ideia de mostrar como foi a construção de um dos monstros e como ele foi manuseado/digitalizado. Muito interessante.

Ah, e apenas deixando bem claro: é uma GUITARRA, não uma espada mágica – como a tradução em português erroneamente coloca (no original, é Kubo and the Two Strings, ou seja, “as cordas mágicas”, o que faz muito mais sentido).

Título Original: Kubo and the Two Strings
Direção: Travis Knight
Gênero: Animação, aventura
Ano de Lançamento (EUA): 2016
Roteiro: Marc Haimes e Chris Butler
Trilha Sonora: Dario Marianelli
Fotografia: Frank Passingham
Tempo de Duração: 101 minutos
Com: Art Parkinson (Kubo), Charlize Theron (Macaco), Matthew McConaughey (Besouro), Rooney Mara (Irmãs Gêmeas) e Ralph Fiennes (Rei da Lua).

h1

Ela

maio 28, 2014

her-movie-posterNOTA: 10

Último projeto do diretor Spike Jonze, responsável pelo adorável Onde Vivem os Monstros, Ela é uma produção que cativa pela sensibilidade de seu ator principal. Interpretando o solitário Theodore, Joaquin Phoenix consegue, mais uma vez, personificar um personagem interessante e complexo. Passando por um difícil término de relacionamento, Theodore curiosamente ocupa sua vida escrevendo (ou melhor, ditando) cartas para outras pessoas, fossem de amor, de perdão ou de despedida.

Ambientado em um futuro moderno não muito distante, as máquinas com as quais os humanos interagem são extremamente independentes, e isso fica ainda mais presente quando o Sistema Operacional (em inglês OS) é lançado para satisfazer a vida social ainda mais solitária dos nossos eus futuros. Ansioso por companhia, Theodore decide comprar um desses sistemas para ajudá-lo no dia a dia.

Com uma voz feminina personalizada (e interpretada de maneira brilhante por Scarlett Johansson), Theodore, como nós, se impressiona com a avançada tecnologia de um computador que rapidamente descobre toda sua vida, suas necessidades e interage de uma maneira… especial. Se fechamos os olhos, é como se a OS Samantha (nome que ela mesma se dá) estivesse ali. Com sentimentos reais, Samantha e Theodore trocam suas vidas como se aquele contato fosse físico, distanciado apenas por um aparelho eletrônico.

Logo esse relacionamento se transforma nisso, mesmo: em uma coisa real e completamente verossímil, que nos cativa do começo ao fim do filme, e nos faz acreditar que a felicidade não depende de contato físico. Extremamente sensível, Jonze não escancara os sentimentos como se estivesse propositadamente querendo que nos emocionássemos, mas isso acontece de maneira natural.

E se por um lado a história evoluiu de maneira coerente, a própria história dos personagens evolui com muita rapidez: os softwares de atualização de Samantha e dos outros OS é tão veloz quanto a luz, e seus pensamentos são tão profundos quanto as questões existenciais mais orgânicas (lembrando-me, até, de Árvore da Vida), questionando-se acerca de suas existências e perspectivas. Enquanto ela se apaixona por outras 600 pessoas – representando, aqui, o poliamor – ele exige um compromisso monogâmico.

Ela trata, basicamente, da felicidade, não importa sua forma. Apesar de nosso estranhamento inicial, porque não considerar a possibilidade de que as pessoas serão mais sozinhas? E se um OS te faz feliz… Afinal, como podemos dizer que um relacionamento emocional não será suficiente? Como podemos julgar, acima de tudo, o que é a felicidade para o outro? Isso fica bem claro com os amigos de Theodore, que não se importam (ou julgam) o relacionamento deste com Samantha.

Além dessa premissa incrível, os atores se sobressaem de maneira excepcional. Enquanto Phoenix é a personificação perfeita de um homem sensível, ligeiramente introspectivo chegando, até mesmo, a ser caracterizado como alguém de características femininas, cujo lado “mulher” é bem aflorado – e isso tudo, surpreendente e positivamente, de uma maneira elogiosa – Johansson, é hábil ao passar uma variada gama de sentimentos apenas com as oscilações de sua voz.

Há, também, alguns atores em ótimas atuações comedidas, como as explosivas Rooney Mara, de Millenium, e Amy Adams, de O Vencedor. Uma pontinha de Olivia Wilde, como um affair de Theodore, e Spike Jonze na pele de um divertidíssimo personagem de videogame. Para completar, uma fotografia dessaturada e uma trilha sonora preciosa compõe o filme mais sensível da temporada do Oscar 2014 – perdendo em poesia apenas para A Grande Beleza. Mais uma excelente prova do que Jonze é capaz de fazer com o roteiro certo (escrito também por ele, claro) em mãos.

Título Original: Her
Direção: Spike Jonze
Gênero: Drama, romance
Ano de Lançamento (USA): 2013
Roteiro: Spike Jonze
Trilha sonora: Arcade Fire
Fotografia: Hoyte Van Hoytema
Tempo de duração: 126 minutos
Com: Joaquin Phoenix (Theodore), Scarlett Johansson (voz de Samantha), Chris Pratt (Paul), Rooney Mara (Catherine), Kristen Wiig (voz de SexyKitten), Amy Adams (Amy), Spike Jonze (a voz do garotinho do jogo), Olivia Wilde (moça do encontro às cegas), Luka Jones (Lewman).